Pastor Valdemiro Santiago vende semente prometendo curar coronavírus a R$ 1 mil

Pastor Valdemiro Santiago vende semente prometendo curar coronavírus a R$ 1 mil

Durante o vídeo, Santiago mostra um suposto exame que comprovaria que uma pessoa teria se curado da doença após utilizar a semente.

Líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, o pastor Valdemiro Santiago gravou um vídeo em que vende sementes com a promessa de curar a Covid-19. Na gravação, o pastor fala do suposto benefício de uma planta e pede o “propósito de R$ 1 mil” por ela.

Durante o vídeo, Santiago mostra um suposto exame que comprovaria que uma pessoa teria se curado da doença após utilizar a semente. O pastor não especifica o nome da planta, mas afirma que após plantada os dizeres “sê tu uma bênção” aparecem na planta.

Santiago rebate ainda possíveis críticas ao produto. “Mas isso é enganar? Não, você que está enganado”, diz ele, antes de anunciar o preço das sementes. “Vou fazer o propósito de R$ 1 mil para cada um. E muitos que estão me assistindo também vão fazer de R$ 1 mil. Outros vão fazer de R$ 500. De acordo com sua semeadeira”, afirma.

No vídeo ele fala de "gente curada de estado terminal, gravíssimo. E tá ali o exame, para quem quiser. (...) Você vê como a semente é semeadora. E aí sim conseguiu vencer a crise e a epidemia. Só tem um jeito de se vencer essas fases difíceis. É semeando, e semeando na obra de Deus. Essa semente é interessante, você planta... É a semente 'sê tu uma bênção'. Você vai semear essa semente e na planta que nascer vai estar escrito 'Sê tu uma benção'".

Anvisa: não há medicamentos aprovados no Brasil


Consultada pela UOL, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirma que "tratamentos considerados eficazes pela Anvisa são aqueles que a Agência autoriza depois de avaliar os estudos e pesquisas realizados em torno do produto" e que "no Brasil, até o momento, não há medicamento aprovado para o tratamento da covid-19".

A agência ainda informou que "diferentes medicamentos têm sido pesquisados (...), mas até o momento os resultados não são conclusivos." A Anvisa ainda alerta que "o Código Penal traz em seu artigo 273 a previsão de penas para o ato de Falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais".


FONTE : ISTOÉ

Postar um comentário

0 Comentários